44ª Volta ao Algarve rola entre quarta-feira e domingo

16-02-2018 13:00

A Volta ao Algarve está de volta e este ano os ciclistas contam com um contrarrelógio em Lagoa, numa prova com 773 quilómetros de estrada.

A prova de 2018: Malhão e novo 'crono' em Lagoa deverão ser decisivos
O contrarrelógio, este ano com partida e chegada em Lagoa, e a subida ao Malhão, na quinta e última etapa, deverão ser decisivos na 'escolha' do vencedor da 44.ª edição da Volta ao Algarve em bicicleta.
Tal como nos últimos anos, a organização da principal prova internacional do calendário velocipédico português, que se disputa de quarta-feira a domingo, manteve o modelo, com duas etapas desenhadas para 'sprinters', duas chegadas em alto e um contrarrelógio individual, no final dos 773,5 quilómetros -- mais 700 metros do que em 2017.
Assim, deverá ser um ciclista 'todo o terreno' a suceder ao esloveno Primoz Roglic (Lotto NL-Jumbo), que, em 2017, subiu à liderança no contrarrelógio da terceira etapa e defendeu a camisola amarela na subida ao Alto do Malhão no dia decisivo.
Albufeira volta a marcar a partida da 'Algarvia', com os ciclistas a terem pela frente até Lagos 192,6 quilómetros praticamente planos, à exceção de duas contagens de montanha, de quarta e terceira categoria, mas ainda na primeira parte da tirada.
A segunda tirada surge a primeira grande dificuldade, com a subida ao alto da Fóia, em Monchique, que, 187,9 quilómetros após a saída de Sagres, obrigará os candidatos a estarem atentos para não perderem tempo.
Já depois de passarem por quatro contagem de média montanha, os ciclistas vão subir ao ponto mais alto do Algarve (900 metros), numa escalada de 15,4 quilómetros, com uma inclinação média de cerca cinco por cento.
Depois de nos últimos dois anos o contrarrelógio ter tido partida e chegada em Sagres, este ano a organização mudou o exercício individual para Lagoa, com 20,3 quilómetros, mais 2,3 do que no anterior.
Antes da etapa decisiva, os 'sprinters' terão nova oportunidade de se mostrarem na mais longa ligação da 44.ª edição da Volta ao Algarve, com 199,2 quilómetros entre Almodôvar a Tavira.
No domingo, na quinta e última etapa, será conhecido o vencedor da 'Algarvia', na subida ao Alto do Malhão, uma pequena ascensão de segunda categoria de 2,8 quilómetros, mas com uma inclinação média de 8,9%.
A derradeira etapa vai ter 173,5 quilómetros, a partir de Faro, com o pelotão a subir uma primeira vez o Malhão a 41,5 quilómetros da meta.

Percurso da 44.ª Volta ao Algarve em bicicleta
 

  • 1.ª etapa, 14 fev: Albufeira - Lagos, 192,6 km.
  • 2.ª etapa, 15 fev: Sagres -- Fóia, 187,9 km.
  • 3.ª etapa, 16 fev: Lagoa -- lagoa, 20,3 km (CRI).
  • 4.ª etapa, 17 fev: Almodôvar -- Tavira, 199,2 km.
  • 5.ª etapa, 18 fev: Faro -- Malhão (Loulé), 173,5 km.

Total: 773,5 km.

Bicampeões Tony Martin e Geraint Thomas em busca de recorde
O alemão Tony Martin e o britânico Geraint Thomas podem tornar-se os primeiros a sagrarem-se tricampeões da Volta ao Algarve em bicicleta, num pelotão em que estarão os vencedores de seis das últimas sete edições.
À partida para a 44.ª edição da 'Algarvia', que se disputa de quarta-feira a domingo, dos anteriores vencedores que ainda competem em equipas do WorldTour apenas não estará presente o esloveno Primoz Roglic (Lotto NL-Jumbo), vencedor em 2017.
Na partida em Albufeira estarão quatro antigos vencedores: o britânico Geraint Thomas (Sky), o australiano Richie Porte (BMC), o alemão Tony Martin (Katusha-Alpecin) e o polaco Michael Kwiatkowski (Sky).
Martin (vencedor em 2011 e 2013) e Thomas (2015 e 2016) podem mesmo entrar para a história da mais importante prova internacional em Portugal, caso se tornem os primeiros a vencer pela terceira vez, embora para o alemão a tarefa possa mais complicada, devido às duas chegadas em alto -- quando venceu apenas havia uma.
A Sky apresenta-se com uma das equipas mais fortes da prova, com Thomas, vencedor em 2015 e 2016, e Kwiatowski, campeão em 2014 e 'vice' em 2013, 2015 e 2017, como 'chefes de fila', acompanhados pelo veterano bielorrusso Vasil Kiryenka.
Também a BMC, que regressa à 'Algarvia' após cinco anos de ausência, surge com uma equipa com ambições, com Richie Porte, vencedor em 2012, a ter a companhia do norte-americano Tejay van Garderen, segundo em 2011.
Bob Jungels (Quick-Step Floors), Louis Meintjes e Serge Pauwels (Team Dimension Data), Simon Spilak (Team Katusha Alpecin), Sam Oomen (Team Sunweb), Bauke Mollema (Trek-Segafredo) e Daniel Martin (UAE Team Emirates) são outros dos nomes que podem lutar pela geral.
Com duas etapas propícias a finais em 'sprint', o campeão francês de fundo Arnaud Démare (FDJ) surge como um dos principais candidatos ao triunfo nessas tiradas, mas terá de ultrapassar, entre outros, nomes como Ben Swift (UAE Team Emirates) ou John Degenkolb (Trek-Segafredo).
Entre os portugueses, Tiago Machado (Katusha-Alpecin), último português a conseguir um pódio na Volta ao Algarve, com o terceiro lugar em 2015, surge como uma das possibilidades para chegar a um lugar entre os primeiros.
Ruben Guerreiro, campeão português de fundo, está a ter um excelente início de temporada, com um nono lugar no Tour Down Under e um quarto na Herald Sun Tour, ambas na Austrália.
Nelson Oliveira (Movistar), quarto no contrarrelógio no último Mundial, poderá ter uma palavra a dizer nessa especialidade na terceira etapa e um bom resultado poderá colocá-lo em boa posição na geral.
Nuno Bico (Movistar), José Gonçalves (Katusha-Alpecin), Rafael Reis e Joaquim Silva, ambos da Caja Rural, são os restantes imigrantes portugueses em prova.
No total serão 175 ciclistas, de 25 equipas, 13 das quais do World Tour, três da categoria continental profissional e as nove equipas portuguesas continentais.
No ano passado, as equipas portuguesas conseguiram colocar três ciclistas no 'top-10' final, com destaque para Amaro Antunes, que este ano se mudou da W52-FC Porto para a CCC Sprandi Polkowice.
Amaro Antunes venceu no Malhão e foi quinto da geral, com o italiano Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira) a ser nono e Edgar Pinto (LA-Alumínios-Metalusa) a ser 10.º.
Ao contrário do que aconteceu na última temporada, este ano não haverá bonificações para os três primeiros classificados das etapas em linha.
Volta ao Algarve: Historial de vencedores
  • 1936 Joaquim Fernandes, Por (Sporting)
  • 1947 Serafim Paulo, Por (Lisgás)
  • 1977 Belmiro Silva, Por (FC Porto)
  • 1978 Joaquim Andrade, Por (Águias)
  • 1979 Firmino Bernardino, Por (Lousa)
  • 1980 Firmino Bernardino, Por (Lousa)
  • 1981 Belmiro Silva, Por (FC Porto)
  • 1982 Alexandre Ruas, Por (Lousa)
  • 1983 Adelino Teixeira, Por (Lousa)
  • 1984 Belmiro Silva, Por (Ovarense)
  • 1985 Eduardo Correia, Por (Sporting)
  • 1986 Manuel Cunha, Por (Lousa)
  • 1987 Manuel Cunha, Por (Sicasal-Acral)
  • 1988 Joaquim Gomes, Por (Louletano-Vale Lobo)
  • 1989 Fernando Carvalho, Por (Louletano-Vale Lobo)
  • 1990 Fernando Carvalho, Por (Philips)
  • 1991 Joaquim Andrade, Por (Sicasal-Acral)
  • 1992 Joaquim Gomes, Por (Recer-Boavista)
  • 1993 Cássio Freitas, Por (Recer-Boavista)
  • 1994 Vítor Gamito, Por (Sicasal)
  • 1995 Cássio Freitas, Por (Recer-Boavista)
  • 1996 Alberto Amaral, Por (Tróia-Marisco)
  • 1997 Cândido Barbosa, Por (Maia-Cin)
  • 1998 Thomas Konecny, Che (ZWZ Cycling)
  • 1999 Melchior Mauri, Esp (Benfica)
  • 2000 Alex Zuelle, Sui (Banesto)
  • 2001 Andrea Ferrigato, Ita (Alessio)
  • 2002 Cândido Barbosa, Por (LA Pecol)
  • 2003 Claus Moller, Ale (Milaneza-MSS)
  • 2004 Floyd Landis, USA (US Postal)
  • 2005 Hugo Sabido, Por (Paredes)
  • 2006 João Cabreira, Por (Maia-Milaneza)
  • 2007 Alessandro Petacchi, Ita (Milram)
  • 2008 Stijn Devolder, Bel (QuickStep)
  • 2009 Alberto Contador, Esp (Astana)
  • 2010 Alberto Contador, Esp (Astana)
  • 2011 Tony Martin, Ale (HTC-Highroad)
  • 2012 Richie Porte, Aus (Sky)
  • 2013 Tony Martin, Ale (Omega Pharma-Quickstep)
  • 2014 Michal Kwiatkowski, Pol (Omega Pharma-Quickstep)
  • 2015 Geraint Thomas, GB (Sky)
  • 2016 Geraint Thomas, GB (Sky)
  • 2017 Primoz Roglic, Esl (Lotto NL-Jumbo)
 
IN: RTP.PT